Experiências com dois tipos de vacinas diferentes mostraram-se eficazes na proteção de ratos infetados com o vírus Zika, um sucesso que constitui mais um passo no sentido da descoberta de uma vacina para humanos. O estudo foi publicado esta terça-feira pela revista científica Nature.

De acordo com um artigo publicado na página na Internet da prestigiada revista, a investigação foi realizada por cientistas norte-americanos, liderados por Dan Barouch, professor no Center for Virology and Vaccine Research num hospital da Escola de Medicina de Harvard.

As experiências mostraram que duas imunizações – uma delas com a inoculação de uma vacina produzida através de ADN e outra com a inoculação de uma vacina feita a partir da purificação de uma forma do vírus – resultaram numa completa proteção de ratos infetados com uma estirpe isolada do vírus Zika do nordeste do Brasil.

Os animais inoculados produziram anticorpos que reconheceram proteínas específicas do vírus e desenvolveram a proteção para o nível dos anticorpos desenvolvidos.

As autoridades europeias da Saúde reuniram-se em Lisboa na semana passada para discutir medidas de combate a um eventual surto de Zika na Europa, região onde o risco ainda é baixo a moderado, com exceção da Madeira, onde é elevado.

É que, com a chegada da época dos mosquitos à Europa e as viagens ao Brasil, para os Jogos Olímpicos, aumenta o risco de propagação do vírus Zika nos países europeus, sobretudo em regiões onde haja a presença do mosquito ‘Aedes’.