A comissão de proteção do consumidor norte-americana aconselhou os donos dos novos Samsung Galaxy Note 7 a nem sequer liga-los.

O aviso surge na sequência dos casos de baterias que explodiram e já depois da gigante da eletrónica sul-coreana ter advertido os clientes em todo o mundo para pararem de usar o novo smartphone.

A Samsung Electronics é o maior fabricante de smartphones e anunciou no passado dia 2 de setembro a retirada do seu novo produto depois de detetadas anomalias nas baterias que levaram mesmo a que explodissem durante o carregamento dos aparelhos.

Desde então, companhias aéreas em todo o mundo proibiram os passageiros de usarem estes smartphones nos voos. Agora, também a TAP proibiu o uso daquele smartphone nos seus aviões.

Numa recomendação publicada no próprio site, a companhia recomendou ainda que o Galaxy Note 7 não seja guardado juntamente com a bagagem de porão.

Caso verifique alguma anomalia, por exemplo se o mesmo estiver danificado, a sobreaquecer, a deitar fumo, etc., avise de imediato um membro da tripulação”, lê-se ainda.

A estimativa da agência Bloomberg é que a recolha dos Galaxy Note 7 custe quase mil milhões de euros à marca.

Este mês, uma família viu o carro incendiar-se e ficar completamente destruído depois de ter deixado o aparelho a carregar no interior do veículo.