logotipo tvi24

Robôs para sexo chegam daqui a 30 anos

Máquinas vão ser resistentes às bactérias e imunes a doenças como a SIDA

Por: Redacção / AC    |   2012-04-24 15:02

Daqui a 30 anos, já vai ser possível pagar a robôs para ter sexo em clubes noturnos, de acordo com uma investigação concluída por dois autores e publicada no jornal científico, «Futures».

O objetivo da criação dos robôs do sexo vai ser, segundo os autores do estudo, Michelle Mars e Ian Yeoman, criar uma forma segura de ter relações sexuais sem doenças. Outro objetivo é também diminuir o tráfico de pessoas.

«É possível. A nossa sociedade já tem lida com máquinas e tem relações cada vez mais fortes e íntimas com tecnologias avançadas e sofisticadas», revelaram os autores do texto publicado no «Futures».

Como forma de sustentar a investigação, os dois autores imaginaram a cidade holandesa de Amesterdão e o turismo sexual que vai surgir até 2050. Nessa altura, Mars e Yeoman preveem que os clubes noturnos de sexo disponham de robôs que vão oferecer serviços sexuais aos clientes.

Os dois investigadores creem também que a quantidade de pessoas alvo de tráfico sexual vai aumentar tanto até 2040 que as autoridades vão ter de legalizar os clubes noturno de sexo com robôs em Amesterdão.

Num cenário completamente futurista, estes robôs do sexo vão ser feitos de materiais resistentes a bactérias e limpos após cada utilização. Não vão ser alvo de doenças sexualmente transmitidas e os clientes vão estar livres do sentimento de culpa de trair as companheiras(os).

Partilhar
EM BAIXO: Campeonato de robôs na Alemanha [EPA/JENS WOLF]
Campeonato de robôs na Alemanha [EPA/JENS WOLF]

As explosões em Gaza vistas do espaço
Astronauta alemão a bordo da Estação Espacial Internacional captou a imagem
NXT: uma forma invulgar de atrair os machos
Um grupo de macacas-capuchinho do Nordeste brasileiro foi observado a atirar pedras aos machos durante a altura do cio
Golfinhos conseguem identificar-se pelo «nome»
Os animais respondem quando ouvem o seu próprio assobio reproduzido
EM MANCHETE
Défice está a piorar
Défice orçamental do primeiro semestre agravou-se em 149 milhões de euros. Ministério das Finanças justifica-se com aumento da despesa pública
Parte do arquivo de Siza Vieira vai para o Canadá
Ana Drago admite criação de plataforma de esquerda