A capacidade de bateria foi uma das dúvidas que surgiu desde que o relógio inteligente da Apple foi dado a conhecer ao mundo. As 18 horas de duração prometidas por Tim Cook no evento de segunda-feira, nos EUA, podem não ocorrer com todos os utilizadores. A própria Apple admite a possibilidade: basta que o utilizador queira fazer chamadas com o relógio e a bateria acabará em cerca de três horas.

De acordo com os valores que a Apple apresenta na página que lançou sobre este tema , os utilizadores do Apple Watch vão necessitar de alguns cuidados especiais para que o relógio dure mais tempo em funcionamento.





As 18 horas prometidas por Tim Cook só valem num cenário em que a pessoa verifique as horas 90 vezes (uma de 12 em 12 minutos), receba 90 notificações, utilize aplicações durante 45 minutos e uma sessão e exercício físco por 30 minutos, com música a tocar via Bluetooth.

Para além das 18 horas de utilização normal, foram adicionados outros tempos de utilização. Assim, a utilização em conversação vai permitir ao Apple Watch ter uma autonomia de três horas. Em testes numa utilização com exercício físico, a bateria durou sete horas e 6,5 horas a ouvir música.

Mas também é possível fazer a bateria aguentar umas impressionantes 72 horas, usando o modo Power Reserve. Só que, para isso,  o utilizador só pode ver as horas (num máximo de quatro vezes por hora) e sem utilizar qualquer outras das funcionalidades do Apple Watch. Neste último caso, talvez valha mais a pena ter um relógio convencional.





Todos os tempos apresentados pela Apple para o novo relógio são referentes ao modelo de 38mm e resultam de testes exaustivos, com software de pré-produção.

De acordo com a empresa liderada por Tim Cook, os modelos de 38mm e 42mm vão ter tempos de funcionamento diferentes, com o modelo de 42 mm do Apple Watch a ter disponível um tempo maior de bateria.