Uma empresa japonesa organiza viagens de avião virtuais, com direito a uma experiência de primeira-classe. Nesta quarta-feira, 12 pessoas experimentaram pela primeira vez esta tecnologia da companhia First Airlines.

Os procedimentos são os mesmos: sentar nos bancos e apertar os cintos, prestar atenção às normas de segurança e ouvir o que fazer em situações de emergência. A única diferença é que, neste tipo de viagem, não se sai do mesmo lugar. As cidades visitadas são conhecidas virtualmente, sem nunca descolar de terra.

Foi essa experiência que um grupo de 12 pessoas teve nesta semana, na primeira viagem do género feita pela First Airlines. Por um valor que rondou os 50 euros - bastante inferior aos preços comuns -, os passageiros puderam desfrutar de uma experiência de luxo, com todas as comodidades características da primeira-classe, "embarcando" em Tóquio com destino a Paris, mas sem nunca aterrar na cidade das luzes.

O suposto avião vai mesmo alternando a paisagem, à medida que a viagem prossegue. Depois de aproveitarem a refeição, os passageiros recebem uns óculos de realidade virtual, que lhes fazem uma visita a 360º pela cidade.

É muito complicado, e caro, planear uma viagem real. Por isso, eu considero bom aproveitar tudo sem ter esse trabalho", declarou ao The Guardian Takashi Sakano, uma das pioneiras da experiência.

As experiências de duas horas para Paris, Roma, Havai e Nova Iorque rapidamente ficaram esgotadas.

Quanto à clientela, ela é maioritariamente constituída por idosos.

Temos muitos clientes idosos que gostariam realmente de viajar, mas que não o podem fazer, devido a limitações físicas", explicou ao The Guardian o porta-voz da First Airlines.

Mediante o sucesso da primeira viagem, a empresa está já a considerar novos destinos. Como tal, assegurou que irão ser feitos voos domésticos pelo Japão, onde serão servidas refeições características dos vários locais de paragem.