A Apple foi alvo de uma queixa de utilizadores, em tribunal, acusando o grupo informático norte-americano de publicidade enganosa.

Em causa, está a capacidade de armazenamento dos seus telefones iPhone, tablets iPad e suportes multimédia iPod.

Isto porque a marca da maçã elogia a capacidade de armazenamento de 16 GB em alguns dos seus modelos mais baratos. No entanto, a queixa dos utilizadores residentes no Estado da Florida, nos EUA, sustenta que cerca de um quinto da capacidade é utilizada pela última versão do seu sistema de exploração (iOS 8).

Daí que o espaço realmente disponível seja reduzido, argumentam os queixosos, no documento entregue esta semana num tribunal do Estado da Califórnia, que foi consultado esta sexta-feira pela AFP.

«A Apple oferece uma capacidade menor de armazenamento do que promove, para, mais tarde, vender este espaço num momento de desespero, quando, por exemplo, o utilizador tenta gravar um vídeo ou tirar fotos de um espetáculo, de uma partida de basquetebol ou de um casamento»


A queixa faz, por isso, notar que quando o limite é atingido, a Apple encoraja os utilizadores a pagarem custos mensais para obterem espaço suplementar no seu serviço iCloud. E refere que cada gigabyte a menos representa entre 400 e 500 fotos em alta resolução.

A Apple recusa-se, até ao momento, a comentar o assunto.