A empresa responsável pelo software associado à aplicação de um jogo instalada nos computadores Magalhães atribuiu «a falha humana» os erros de português detectados, adiantando que as correcções já estão disponíveis na Internet.

«O processo de tradução/localização de software envolve um passo de tradução automática, sendo esse passo seguido de verificação manual. No caso do software Gcompis, por falha humana, parte da tradução desta aplicação não foi validada», esclareceu a empresa Caixa Mágica, em comunicado enviado à Lusa.

O Ministério da Educação deu sexta-feira ordem para as escolas retirarem dos computadores Magalhães o software de jogos didácticos depois de o jornal Expresso ter confrontado o Executivo com os erros de ortografia, gramática e sintaxe nas instruções dos jogos incluídos no ambiente de trabalho Linux.

«Gravar-lo», «puxando-las», «acabas-te», «basicamente», «fés» e «caem» foram alguns dos erros detectados.

No comunicado, a Caixa Mágica refere ainda que os erros foram sendo corrigidos em actualizações disponibilizadas em Outubro do ano passado e Janeiro deste ano, «sendo estas automaticamente instaladas em todos os Magalhães que acedem à Internet».

A empresa sublinha ainda que entre as «1.136 aplicações presentes no Linux Caixa Mágica no Magalhães, foram detectados erros apenas numa aplicação».