Continuam os insólitos à volta do Pokémon Go. A empresa ProSys, que lida com sistemas informáticos na Dinamarca, paga aos funcionários com moedas, que podem fazer subir o nível na aplicação da Nintendo. Em troca, os funcionários apenas terão que desempenhar funções de telemarketing. 

Não é só de 'pokémoedas' que se faz este salário, se quiser também poderá pedir parte do valor em 'pokébolas', para capturar mais criaturas da aplicação. 

A ProSys está à procura de um jovem com formação na área do telemarketing. Parte do salário será pago em moedas do Pokémon Go e em 'Pokébolas'", escreveu a empresa no Facebook.

De acordo com a BBC, que cita o diretor da empresa, o objetivo é tornar o anúncio divertido e apelativo, para que mais pessoas a candidatar-se à oportunidade de emprego. O ideal é que os candidatos tenham entre 18 e 25 anos.

Esta é mais uma das empresas que se aproveitou da febre dos pokémons. Já é difícil contabilizar os comércios que ofereceram descontos e regalias a jogadores da aplicação, para atrair um maior número de clientes. 

O diretor da ProSys exlica que a iniciativa, lançada no Facebook, foi muito bem recebida, principalmente entre os mais jovens. No entanto, a estratégia foi mais bem conseguida do ponto de vista publicitário do que de recrutamento, já que poucos currículos foram apresentados. 

Apenas oito pessoas decidiram candidatar-se à oferta, o que não é mau, já que apenas uma compareceu presencialmente à entrevista. Como as 'pokémoedas' não pagam despesas, a empresa dá também a possibilidade do salário ser pago em dinheiro - sim, dinheiro real.