Um youtuber holandês, que geralmente aparece nos próprios vídeos a tocar acordes de guitarra, a comparar instrumentos e a ensinar técnicas musicais, foi acusado pela rede social de plagiar a própria música. Paul Davids recebeu uma mensagem do YouTube a alertá-lo de que tinha violado direitos de autor, mas nem queria acreditar quando percebeu que a violação recaia sobre uma música que ele próprio tinha composto, noticia a BBC.

Provavelmente, como todos os youtubers, eu ocasionalmente recebo um email a dizer que estou a infringir direitos de autor do material de outra pessoa", afirma Davids, num vídeo publicado a 3 de julho no YouTube.

Só que numa dessas mensagens, o YouTube alertou-o sobre algo que, na prática, acabava por ser uma violação de direitos de autor contra si mesmo.

Quando eles disseram qual era a música, foi bastante chocante", recorda. "Alguém pegou na minha música, adicionou letras e acordes de guitarra para fazer a própria melodia e enviou-a para o YouTube, mas quem recebeu a notificação de violação dos direitos de autor fui eu”, explica.

 

Paul Davids não só foi acusado de plagiar a própria música, como todo o dinheiro que estava a ganhar com esse vídeo passaria a ser direcionado para a pessoa que tinha copiado o conteúdo.

Inconformado, o youtuber holandês encontrou no Facebook o indivíduo que lhe plagiou o tema e perguntou-lhe se estava ciente de que tinha usado uma música que não lhe pertencia, publicando-a como sendo sua.

Horas depois, recebi uma resposta: 'Olá Paul. Não sei, fiz download de alguns acordes de guitarra no YouTube. Se são seus, peço desculpa. Poderia considerar a hipótese de me deixar continuar a usá-los? (…) Por favor, diga-me como podemos resolver esta questão de forma pacífica”.

Paul Davids respondeu que tinha sido notificado pelo YouTube de que tinha infringido os direitos de autor do plagiador, mas acabou por fazer deixá-lo a continuar a utilizar a música.

Pode continuar a utilizar a música. A próxima vez que decidir utilizar um tema que não lhe pertence deve começar por pedir autorização ao criador original”, avisou.

Esta não é a primeira vez que surgem problemas com o sistema de direitos de autor do YouTube.

Em 2010, por exemplo, Justin Bieber teve um conflito com o YouTube, quando a plataforma não permitiu que ele fizesse upload da sua nova música porque alguém já a tinha publicado antes.

No centro da controvérsia está o sistema de Content ID do YouTube, o processo automático que escaneia os vídeos e decide se estão a infringir os direitos de autor de material publicado na plataforma.

O Content ID funciona para garantir que as pessoas não usem conteúdo sem a autorização do criador original, mas tem falhas e, às vezes, exclui conteúdos por engano.

Contactados pela BBC, os responsáveis pelo YouTube recusaram comentar o caso.