O Facebook confirmou que vai passar a intervir nos anúncios presentes nos vídeos, passando a partilhar a receita com os criadores do conteúdo. O anúncio desta quinta-feira é um desafio direto ao YouTube, detido pelo concorrente Google.

O modelo publicitário está a ser testado pela rede social e faz parte da possibilidade de “partilha de vídeos”, desenhada para recomendar clips aos utilizadores, aparecendo no seu feed de notícias.

“Estamos a fazer um novo teste para sugerir vídeos, ajudando as pessoas a encontrar mais vídeos semelhantes àqueles que gostam”, afirmou um porta-voz do Facebook à AFP.
 

“Nesses vídeos sugeridos, vamos fazer um teste de conversão de moeda, vamos mostrar publicidade nos vídeos e partilhar o lucro com as empresas de media e os criadores dos vídeos”.


Segundo o porta-voz, o lucro destes anúncios que surgem nos vídeos sugeridos no feed vai ser distribuído e 55% reverte para os autores dos conteúdos.

Os vídeos sugeridos estão relacionados com o que é visto pelos utilizadores e devem ser recomendados vídeos sobre os mesmos tópicos ou publicado pelos mesmos autores. Os testes estão a ser feitos com algumas pessoas que acedem ao Facebook através do telemóvel.

Segundo dados do eMarketer, a quantidade de dinheiro dispendido nos EUA com publicidade em vídeos rondou os 8 mil milhões de dólares, em 2015.

O YouTube é a plataforma de partilha de vídeos por excelência e lucrou quase 8 mil milhões de dólares em 2014, estimando-se que este valor aumente até ao próximo ano.