Cientistas chineses anunciaram esta quinta-feira ter criado esperma funcional, usando células estaminais embrionárias de ratos, que foi injetado em ovócitos de fêmeas, que geraram crias normais.

Os investigadores manipularam células estaminais embrionárias dos roedores machos, para que se tornassem células reprodutoras similares às que formam o esperma.

Em seguida, as células foram injetadas em ovócitos, que produziram embriões, implantados, por sua vez, em fêmeas, que deram à luz crias totalmente normais.

A investigação, publicada hoje na revista Cell Stem Cell, fornece uma base de trabalho que, segundo os seus autores, pode vir a ser utilizada no tratamento da infertilidade masculina.

"Reproduzir as células germinativas 'in vitro' é o principal objetivo da biologia e da medicina reprodutiva", assinalou, citado pela agência AFP, um dos autores do estudo, Jiahao Sha, da Faculdade de Medicina da Universidade de Nanjing, na China.

As células germinativas provêm das células estaminais e estão na origem da formação das células reprodutoras: os espermatozoides (homens) e os ovócitos (mulheres).

Estas células contêm toda a informação genética de uma pessoa e que é transmitida ao embrião.

Uma das principais causas da infertilidade masculina é a incapacidade de se criarem células germinativas nos testículos, sem as quais não é possível formar esperma viável, de acordo com os cientistas chineses.

O próximo passo do seu trabalho será avaliar os mecanismos moleculares que controlam a meiose e testar os resultados noutros animais, sobretudo em primatas, com o objetivo de estudá-los em humanos.