O envio de aromas através de telemóvel vai ser possível no oPhone, que será comercializado a partir do próximo ano e que já tem um potencial importante, afirmou o responsável do projeto, um professor de engenharia biomédica.

«Há um grande interesse da parte de Silicon Valley [nos Estados Unidos, onde se localizam empresas de setor tecnológico], porque trata-se efetivamente de poder transformar a comunicação global da atualidade», explicou David Edwards, professor na universidade norte-americana de Harvard, à agência France Presse, no seu escritório do Laboratório, uma estrutura inaugurada em 2007 em Paris que pretende reconciliar arte e ciência.

Um aparelho cilíndrico apoiado sobre uma doca, o oPhone é uma pequena caixa branca que gera sinais aromáticos complexos, numa rápida sucessão de pequenas emissões de vapores, da mesma forma que um telefone transmite informações de áudio.

Funciona graças à manipulação tecnológica de partículas de uma forma similar à tecnologia de aerossóis médicos que permitiram a este filantropo, autor e inventor em série construir a sua fortuna no final da década de 1990.

Os utilizadores de iPhone vão ter disponível uma aplicação gratuita, chamada oSnap, que pode ser descarregada nos telemóveis a partir de 17 de junho, disponibilizando 32 aromas originais. O utilizador pode combinar entre um e oito odores para criar o seu próprio aroma, sendo possíveis 300 mil combinações.

No mundo real, a gama de perfumes é tão larga que era necessário selecionar fragrâncias para iniciar as experiências.

«Estamos focados em duas áreas: café e alimentação», disse o responsável.

Uma vez operacional, um caminhante pode tirar uma fotografia durante um passeio na floresta e, em seguida, adicionar alguns aromas para reconstituir a atmosfera ao seu redor. Enviará, depois, uma oNote, um arquivo enviado via mensagem de texto (SMS), que visualizará depois a composição na página na internet, que pode ser também carregada para um iPhone.

O odor é produzido em cartuchos, batizados como oChips.

O público poderá visitar o Laboratório, entre 19 e 31 de junho, para uma demonstração do aparelho. Paralelamente, uma campanha de financiamento comunitário decorre no sítio da internet Indiegogo de 17 de junho a 31 de julho.

O produto custará 199 euros e menos 50 euros para os contribuidores para o financiamento, mas David Edwards garante que o preço deverá diminuir rapidamente, à medida que se expandir a produção.

Numa segunda fase, será possível tirar uma fotografia e o software deduzirá qual é o odor.

O campo de aplicações é quase infinito, desde a medicina à indústria, mas o comércio digital parece ser o setor mais apetecível.

«Temos tido, há meses, conversas com representantes mundiais de alimentos, cinema, perfumes, viagens e carros», afirmou David Edwards.