É cor laranja, com pétalas fininhas, e de grande importância para os cientistas. A primeira flor cultivada no espaço, finalmente, brotou. O astronauta Scott Kelly é o responsável por cuidar da planta, na Estação Espacial Internacional, e partilha no Twitter uma espécie de "diário" com várias fotos da flor extraterrestre. Kelly usa a hashtag #Spaceflower.
 

É da espécie zínia, considerada uma das mais fáceis de brotar na Terra. No entanto, no espaço não foi bem assim. Em dezembro, parecia não haver sucesso nesta experiência, já que quatro plantas não vingaram. Por enquanto, só há uma florzinha solitária, mas representa um grande avanço no cultivo espacial.

A zínia é parte de um projeto mais amplo para cultivar alimentos em gravidade zero, com o uso do sistema Veggie, da NASA, que foi entregue à Estação Espacial Internacional, em abril de 2014. Os astronautas já conseguiram uma colheita de alfaces e planeiam cultivar tomates em 2017. O objetivo é possibilitar o cultivo de alimentos para uma futura missão tripulada a Marte

São muitos os desafios para uma horta espacial, como os altos níveis de radiação e temperaturas extremas. O que tem favorecido, de acordo com o especialista Dhiren Kataria, é que a Estação Espacial está em órbita baixa. Assim, o campo magnético da Terra protege as plantas dos piores efeitos da radiação. "Dentro da estação, a atmosfera pode ser controlada. É um ambiente relativamente agradável, com calor e controle de humidade", explica o especialista, citado pelo jornal The Guardian.

Se tudo continuar a correr bem, é possível que os próximos tripulantes que forem a Marte encontrem um jardim florido e alimentos fresquinhos para comer.