Um novo estudo da NASA está a causar polémica ao anunciar que na Antártida está a acontecer um aumento de acumulação de gelo superior aquele que foi perdido. A equipa da Nasa chegou a esta conclusão depois de os cientistas terem examinado a expessura das camada de gelo da região, através de imagens de satélite.

Aparentemente, a pesquisa entra em contradição com os estudos que têm sido realizados nesta matéria nos últimos dez anos, segundo os quais o degelo estaria a contribuir para uma subida do nível dos oceanos.

Apesar de muitos cientistas concordarem que a Península antártida e partes do oeste da Antártida estão efetivamente a perder gelo a um ritmo acelerado, o estudo da NASA contrapõe que na região oriental, mas também no interior do continente, estão a haver aumentos de gelo superiores às perdas.
 
De acordo com a nova análise, a camada de gelo da Antártida mostrou um ganho líquido de 112 mil milhões de toneladas de gelo por ano entre 1992 e 2001. Este ganho diminuiu para 82 mil milhões de toneladas entre 2003 e 2008.

A notícia pode parecer reconfortante, no entanto, bastam algumas décadas para que o crescimento se inverta. Se as perdas da Península e das partes do oeste continuarem a aumentar ao mesmo ritmo das últimas décadas, os cientistas antevêm um aumento global do degelo nos próximos 20 a 30 anos.

No entanto, esta situação já pode estar a acontecer. De acordo com outra investigação realizada pelo  Postdam Institute for Climate Impact Research, da Alemanha, divulgada esta segunda-feira, sugere que assim será nos próximos 60 anos e que o degelo na Antártida Ocidental não será compensado por ganhos noutras regiões, levando a um aumento de três metros no nível do mar.