O Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia, em Braga, participou no desenvolvimento do disco rígido "mais pequeno do mundo", usando uma densidade de armazenamento que, "em teoria", permitiria gravar "num único selo postal" todos os livros do mundo.

Em comunicado enviado esta terça-feira à agência Lusa, o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia explicou que a colaboração com a Universidade Técnica de Delft (Holanda) permitiu a "redução ao seu limite máximo" do espaço ocupado por cada ‘bit' [menor unidade de informação que pode ser armazenada ou transmitida], levando ao desenvolvimento de um "protótipo laboratorial de memória digital com ‘bits' à escala atómica que supera a densidade de armazenamento das tecnologias atuais".

De acordo com o texto, aquele protótipo alcançou uma densidade de armazenamento de 500 terabit por polegada quadrada, "500 vezes melhor do que os discos rígidos disponíveis no mercado", sendo que os resultados da investigação conjunta foram publicados recentemente na Nature Nanotechnology.

"Em teoria, esta densidade de armazenamento permitiria que todos os livros já criados pelo homem pudessem ser gravados num único selo postal", referiu Sander Otte, o investigador que lidera o projeto na Universidade Técnica de Delft.

O Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia lembra que a "sociedade moderna cria mais de mil milhões de gigabytes de informação nova" todos os dias sendo que "é cada vez mais importante que cada ‘bit' ocupe o menor espaço possível" para ser possível armazenar todos aqueles dados.

O grupo de cientistas, explana o texto, "conseguiu levar esta redução ao seu limite máximo com a fabricação de uma memória de 1 kilobyte (8.000 bits), onde cada bit é representado pela posição de um único átomo de cloro".

A "memória" fabricada "quebra vários recordes", de acordo com o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia

"É, de longe, a maior estrutura funcional fabricada, juntando átomo por átomo. Até à data ninguém fora capaz de ir além dos mil átomos", aponta Joaquín Fernández-Rossier, líder do grupo de Física Teórica do INL.

Apesar da "nova abordagem" oferecer "excelentes perspetivas em termos de estabilidade e escalabilidade", explica o comunicado, este tipo de memória não deverá ser introduzido nos centros de processamento de dados a curto prazo.

"Na sua forma atual, a memória pode funcionar apenas em condições de vácuo muito limpo e à temperatura do azoto líquido, de modo que o armazenamento real de dados à escala atómica ainda está um pouco distante. Mas através desta conquista, ficamos certamente um passo mais perto de o conseguirmos", explica Otte.