O trabalho de investigação de Elisabete Marques, na área oncológica, que pretende tornar as células cancerígenas menos resistentes à quimioterapia, foi distinguido com a medalha de honra de uma empresa de cosmética para as Mulheres na Ciência 2015.

A investigadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Elisabete de Oliveira Marques, recebeu a distinção, que, segundo um comunicado da instituição universitária, “visa reconhecer e incentivar o trabalho das mais promissoras jovens cientistas que desenvolvam a sua pesquisa em instituições portuguesas, com projetos originais no âmbito das ciências da saúde e do ambiente”.

A investigação de Elisabete Marques “tem como objetivo o desenvolvimento de nanopartículas luminescentes biodegradáveis, para descoberta de novos biomarcadores, e para servirem de veículo na libertação controlada de fármacos (Doxorrubicina e a Camptotecina) em células cancerígenas, e assim contribuir para o combate à resistência a quimioterapia convencional”.

Em comunicado, a faculdade destaca o caráter “inovador” do projeto, que “poderá contribuir para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, uma vez que abrange a criação de um dispositivo de tratamento não invasivo (via oral)”.