O Youtube quer proteger os seus utilizadores e, por isso, decidiu implementar novas e mais rigorosas regras. O anúncio foi feito pela empresa em comunicado, no qual referiu que 2017 foi "um ano difícil", depois de várias polémicas terem surgido com a plataforma. 

A partir de agora, os novos canais de Youtube precisam de ter, pelo menos, 1.000 subscritores e 4.000 horas de visionamento no último ano para o vídeo poder ter anúncios publicitários. Para os vídeos que já se encontram online, e com direito a publicidade, estas regras só se irão aplicar a partir do próximo dia 20 de fevereiro. 

Não há como negar que 2017 foi um ano difícil, com vários casos a afetarem a nossa comunidade e os nossos parceiros de publicidade. Interessamo-nos em proteger os nossos utilizadores, anunciantes e criadores e garantir que o YouTube não é um local para ser usado por maus atores" começou por referir Paul Muret, vice-presidente da secção de Display, Vídeo e Analytics da Google. 

Os vídeos que cumpram estes critérios passam automaticamente a fazer parte de um programa específico, o "YouTube Partners Program (YPT), que se traduz numa espécie de "Programa para Sócios do YouTube (que permite receber dinheiro da plataforma). No entanto, se for encontrado um canal que viole estas regras, de forma "flagrante e repetida", será automaticamente removido do grupo YPT. 

Mas não é tudo. A empresa referiu ainda que se os canais quebrarem estas regras três vezes seguidas serão banidos do site e o canal será apagado. A empresa acrescenta que irá ser feito um controlo apertado de parâmetros "como as advertências por violação das regras da comunidade, spam e outros abusos para garantir que os mesmos cumprem com estas políticas."  

As alterações irão afetar um número considerável de canais, mas, apesar disso, a empresa acredita que os canais que fazem parte do YPT irão representar cerca de 95% do alcance do YouTube para os anunciantes.

A plataforma vai também criar um sistema, em três fases, que irá permitir aos anunciantes discutirem e refletirem melhor sobre os vídeos que decidem colocar no seu canal. Até porque são cada vez mais aqueles que pretendem ganhar dinheiro "fácil" no YouTube, acabando por difundir conteúdo pouco interessante ou de fraca qualidade. 

Estas mudanças vão ajudar-nos a cumprir melhor a promessa do YouTube para os anunciantes: a possibilidade de chegarem a mais de 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo e que estão realmente envolvidas com o conteúdo que eles gostam. Valorizamos a parceria e a paciência de todos os nossos anunciantes até à data e estamos ansiosos por fortalecer estes vínculos ao longo de 2018.", lê-se no comunicado. 

Estas decisões surgiram depois de várias polémicas, nomeadamente com o caso, ocorrido no início do ano, de um dos mais famosos jovens youtubers do mundo. Logan Paul, de 22 anos, publicou no seu canal imagens de uma pessoa enforcada numa árvore na floresta japonesa Aokigahara, perto do monte Fuji.

Depois deste vídeo, o YouTube decidiu apagar a conta de Logan da Google Prefered Platform - uma plataforma que oferece aos anunciantes da marca o acesso aos canais mais populares do YouTube entre 18 e 34 anos de idade.