A nanomedicina é uma das esperanças no combate «de precisão» a células cancerígenas, defendem especialistas no dia em que se assinala, em Braga e em 13 países europeus, o segundo Nano World Cancer Day.

De acordo com os especialistas, reunidos no Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), a aplicação desta ciência, até há alguns anos mais focada na área da eletrónica e engenharias, na medicina «não é mais ficção científica».

Alias, referiram, no combate ao cancro e no que concerne o diagnóstico precoce, a nanomedicina tem vindo a assumir especial destaque, sendo por isso uma das áreas de investigação às quais a Europa está a dar «mais atenção e financiamento», inclusive em Portugal.