A Nasa detetou a matéria orgânica mais complexa jamais encontrada na superfície de Marte, um avanço no estudo sobre a existência de vida no planeta vermelho, divulgaram hoje cientistas.

O veículo Curiosity também descobriu evidências de variações sazonais nas emissões de metano, indicando que a fonte desse gás - muitas vezes sinal de atividade biológica - vem do próprio planeta.

O metano pode ser armazenado em camadas de gelo sob a superfície.

Amostras de material orgânico, a partir de rochas antigas, com 3,5 bilhões de anos, foram retiradas a cinco centímetros de profundidade na base do Monte Sharp, dentro cratera Gale, considerado um antigo lago.

"É um avanço significativo, pois indica-nos que o material orgânico é preservado nos ambientes mais desafiadores de Marte", disse o principal autor de um dos dois estudos publicados na revista Science, a astro biologista Jennifer Eigenbrode , da Agência Espacial dos EUA.

Para a cientista, a descoberta desta matéria complexa pode permitir “encontrar algo mais bem preservado que contenha uma assinatura da vida".

O Curiosity, que pousou no planeta vermelho em 2012, já tinha descoberto matéria orgânica em 2014, mas em pequenas quantidades.

"Este estudo mostra em detalhe a descoberta de compostos orgânicos complexos e distintos no sedimento. Isto não significa que há vida, mas os compostos orgânicos são a vida de pedras de construção", afirmou Sanjeev Gupta, professor de Ciências da Terra no Imperial College of London.