Em reação ao aumento de crimes de ódio contra os muçulmanos e aos mais recentes comentários de Donald Trump, Mark Zuckerberg veio a público dizer que os crentes no Islão “são sempre bem-vindos” no Facebook.

O fundador da rede social deixou a mensagem na sua página de Facebook, esta quarta-feira, frisando que sentiu a necessidade de dizê-la, depois “dos ataques em Paris e do ódio desta semana”. Uma crítica que pode ser direcionada ao candidato à presidência dos EUA, Donald Trump, que afirmou que os muçulmanos não deveriam entrar nos EUA e que a internet deveria ser banida para prevenir a radicalização dos norte-americanos.
 

“Quero juntar a minha voz para apoiar os muçulmanos na nossa comunidade e à volta do mundo. Depois dos ataques em Paris e do ódio desta semana, só posso imaginar o medo que os muçulmanos sentem de serem perseguidos pelas ações de outras pessoas. Como líder do Facebook, quero que saibam que são sempre aqui bem-vindos e que vamos lutar para defender os vossos direitos e criar um ambiente pacífico e seguro para vocês”


Mark Zuckerberg referiu ainda a filha, Max, que nasceu na semana passada. O empreendedor disse que ser pai lhe tinha dado “muita esperança, mas o ódio de alguns pode facilitar que se sucumba ao cinismo”.

O fundador do Facebook terminou a mensagem com um apelo para “não perder a esperança”.
 

“Enquanto nos mantivermos juntos e virmos o bom em cada um, podemos construir um mundo melhor para todas as pessoas”

 

I want to add my voice in support of Muslims in our community and around the world.After the Paris attacks and hate...

Publicado por Mark Zuckerberg em  Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2015