No dia em que comemora dez anos, o Facebook, aquela que é considerada a rede social mais importante do mundo, contabiliza em Portugal cerca de 4,7 milhões de utilizadores, entre os 1,2 mil milhões a nível mundial.



Em Portugal, de acordo com a Facestore - plataforma que permite a empresas e particulares abrirem uma loja online dentro da sua página do Facebook e a venderem os seus produtos diretamente aos seus amigos, fãs e seguidores - estão contabilizados cerca de 4,7 milhões de utilizadores.

Quando, em 2004, Mark Zuckerberg e os seus colegas de quarto da faculdade (Eduard Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes) imaginaram uma rede que ligasse os estudantes da Universidade de Harvard, estavam longe de pensar no sucesso que a mesma iria alcançar.

A rede expandiu-se depois as outras universidades norte-americanas e depressa conquistou o mundo para qualquer pessoa com mais de 13 anos.

«Tem sido uma viagem incrível até agora e estou muito grato por fazer parte disto. É incrível ver como as pessoas têm usado o Facebook para construir uma verdadeira comunidade e ajudarem-se uns aos outros de tantas formas. Na próxima década, temos a oportunidade e responsabilidade de conectar todos e continuar a servir a comunidade da melhor maneira possível», disse Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, a propósito do aniversário.

Num comentário enviado por email à Lusa, Paulo Barreto, Facebook Country Manager em Portugal, revelou que o comportamento dos utilizadores é «muito semelhante» em todas as regiões do mundo.

Em termos globais, o mesmo responsável explicou que a rede conta atualmente «com uma média de 757 milhões utilizadores diários (dados de dezembro de 2013), correspondente a um crescimento de 22% em 2013».

Segundo Paulo Barreto, a nível global sabe-se que «apenas no final do seu primeiro ano, em dezembro de 2004, o Facebook contava com um milhão de utilizadores ativos por mês, número este que evoluiu exponencialmente para 500 milhões em junho de 2010 e para um total de 1,230 milhões até à data de hoje».

Para os próximos anos, Paulo Barreto previu que a rede social «vai continuar a apostar na melhoria da experiência que proporciona aos seus utilizadores, simplificando e melhorando a aplicação e garantindo a relevância e dos posts do newsfeed de cada utilizador, aumentando o tempo que estes passam na plataforma».