O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, fez uma visita surpresa à Nigéria e esteve no centro de inovação tecnológica CcHUB, em Yaba, nos arredores da cidade de Lagos, que é conhecida como a “capital do empreendedorismo". Este país da África subsariana tem apresentado muitas potencialidades para tomar um lugar de destaque no grupo das economias que mais se desenvolveram naquele continente. 

Não houve qualquer dispositivo de segurança para proteger Zuckerberg, até porque os funcionários do CcHUB não sabiam da visita especial do jovem milionário. O "tour" começou com uma conversa dirigida às crianças que participavam no campo de férias de codificação e seguiu-se um encontro com empreendedores que usam o centro para criar e lançar a suas aplicações.

Quando iniciou um discurso improvisado, o fundador do Facebook parecia nervoso e até assustado, mas rapidamente chegou ao ponto central daquela viagem: incentivar os jovens empreendedores a prosseguirem com os seus projetos, ao garantir que aquele complexo de inovação iria adquirir importância à escala mundial pelas ideias que estavam a ser desenvolvidas.

Esta é a minha primeira viagem à África subsariana. Irei reunir-me com gestores e empreendedores, e saber mais sobre o ecossistema de startups na Nigéria. A energia aqui é maravilhosa e estou animado para aprender o mais que consiga”, disse Zuckerberg à CNN.

As startups nigerianas combatem diariamente contra barreiras como a falta de infraestruturas, o suporte energético deficitário e uma recusa generalizada de financiamento e investimento.

Bosun Tijani, o co-fundador de um projeto tecnológico apresentado a Zuckerberg em 2011, afirmou à CNN que a visita de uma das pessoas mais influentes do mundo atual irá impulsionar os iniciantes neste negócio, dando-lhes a mão de desesperadamente necessitam.

Por ter vindo aqui pela primeira vez, ele deu muita esperança aos jovens”, disse Tijani.

O empresário nigeriano valorizou, também, o exemplo dado por Zuckerberg, que criou o Facebook sem o objetivo de se tornar milionário e deixou o negócio fluir sem ansiedade.

Tem a ver com criar alguma coisa que venha a mudar o mundo e, obviamente, se o fizeres estás encaminhado para colher os benefícios”, afirmou.

Os criadores da CcHUB chamaram a atenção do fundador do Facebook por serem os responsáveis pelo impulso tecnológico num país que estava destinado à agricultura e aos pequenos negócios.

Aquele centro de inovação já criou várias propostas para ajudar a população nigeriana, como é o caso da aplicação “Lifebank”, que localiza as dádivas de sangue disponíveis e possibilita a entrega nos hospitais.

Zuckerberg não escondeu o interesse crescente pelas startups nigerianas e outras indústrias tecnológicas que estão a surgir em África. Em junho, investiu milhões de dólares numa startup de Lagos, também na Nigéria, chamada Andela e, em maio, lançou a “Free Basics”, uma parceria com a empresa local de telecomunicações, que permite aos clientes usarem os motores de busca da internet de forma gratuita.