O vírus da sida tem «um manto de invisibilidade», descoberto agora pelos cientistas, que lhe permite passar despercebido nas células humanas e sem que seja ativado o sistema imunitário, segundo um artigo publicado na revista Nature.

Uma equipa de investigadores da University College de Londres conseguiu destapar esse «manto de invisibilidade» do vírus, numa experiência com um medicamento experimental aplicado em células desenvolvidas em laboratório.

Os resultados poderão ajudar a melhorar os procedimentos perante o vírus ou conduzir mesmo a novos tratamentos, sustentou a equipa de cientistas.

«Esperamos um dia poder ser capazes de desenvolver um tratamento que ajude o corpo a livrar-se do vírus antes da infeção tomar conta por completo do sistema imunitário do corpo», afirmou Greg Towers, investigador que liderou o estudo, citado pela agência France Press.

O sistema imunitário é a primeira linha de defesa do corpo perante a infeção, com um «sistema de alarme» anti-viral que é ativado em cada célula.

No entanto, o vírus da imunodeficiência (VIH) atinge as células dos glóbulos brancos e consegue replicar-se antes de ser ativado o sistema imunitário, o que o torna não perigoso, sustentou aquele investigador.

Na experiência laboratorial, os investigadores utilizaram uma versão modificada de um medicamento baseado na substância Cyclosporine, usada em pacientes que foram sujeitos a transplantes de órgãos.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, existe em todo o mundo cerca de 35,3 milhões de pessoas infetadas com o vírus VIH.