Imagens em tempo real das praias da Madeira

Site da Sanas quer ajudar os banhistas a escolherem o melhor local para «irem a banhos»

Por: Redação / ARC    |   8 de Junho de 2008 às 14:27
Informações e imagens em tempo real das praias da Madeira, facultadas no sítio do SANAS (Associação para Socorro no Mar) constituem uma das inovações da época balnear 2008 na região que começa a 21 de Junho.

Os utilizadores dos complexos balneares e praias do arquipélago podem assim evitar as «surpresas» provocadas pela inconstância das condições meteorológicas neste arquipélago, onde é usual fazer sol numa costa, enquanto na outra está a chover.

Este é um projecto do Sanas Madeira, associação que terá este Verão cerca de 120 nadadores-salvadores a vigiar diversas praias em todo o arquipélago, disse à agência Lusa Ruben Silva do Sanas.

No sítio desta associação serão facultadas informações sobre o tempo, ondulação, afluência, a bandeira que está hasteada e uma breve descrição da praia, além de imagens dos diversos locais no arquipélago, o que facilitará a escolha do melhor local para «ir a banhos» naquele dia.

«O SiP vai disponibilizar imagens em tempo real de cada uma das praias vigiadas pelo Sanas Madeira através de câmaras com ligação à Internet», explicou.

«Estaremos em todos os concelhos da região, com contratos celebrados a partir de 21 de Junho, excepto nos do Porto Moniz e de Santana, municípios em que as próprias câmaras têm pessoal contratado para o efeito», diz Ruben Silva.

Este responsável realçou que «o Porto Santo marca também este ano a diferença, visto que foram os próprios empresários da hotelaria daquela ilha que contrataram, a partir de 1 de Junho, os serviços do Sanas para a cobertura integral do areal, com incidência nas zonas dos hotéis, o que alivia o erário público, até porque a câmara está sem capacidade financeira para o efeito».
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Complexo balnear do Porto da Cruz
Complexo balnear do Porto da Cruz
COMENTÁRIOS

PUB
BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém»

«Fala-se do buraco, do buraco, do buraco no meu mandato... Apresentem-me números». Ano e meio depois de sair, ex-presidente do BESA diz que a carteira de crédito cresceu ainda mais, com outros a liderar o banco. Quanto à garantia do Estado angolano, afirma que caiu por culpa do Banco de Portugal. Já sobre os créditos em si, assume a responsabilidade por tê-los pedido, mas quem autorizou foi o BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém». Há alguma contradição nas suas explicações sobre onde é que, afinal, pára o dinheiro dos polémicos créditos que desapareceram