O consumo moderado de hidratos de carbono favorece uma vida mais saudável e longa, segundo um estudo publicado na revista britânica 'The Lancet' e que foi liderado por Sara Seidelmann, do 'Brigham and Women's Hospital', nos Estados Unidos.

A investigação revelou que as dietas que substituem os hidratos de carbono por proteínas ou gorduras devem ser evitadas devido à sua possível ligação com "ciclos de vida mais curtos".

As dietas sem hidratos de carbono ou com pouca percentagem dos mesmos foram associadas a um aumento da mortalidade”, sobretudo se os hidratos de carbono forem substituídos por proteína e gordura de origem animal (como carne de porco, vaca, frango), lê-se no estudo.

Já aquelas dietas em que a proteína e gordura consumida é de origem vegetal – originária, por exemplo, de nozes, avelãs, manteiga de amendoim e cereais integrais – foram associadas a baixos níveis de mortalidade.

Os resultados sugerem, assim, que “a fonte dos alimentos altera a relação entre o consumo de hidratos de carbono e a mortalidade”, lê-se ainda na revista “The Lancet”.

Em resumo, consumir “hidratos de carbono com moderação parece ser ideal para a saúde e ter uma vida mais longa”, dizem especialistas citados pela agência de notícias espanhola Efe.