Contudo, os especialistas já frisaram que o corpo, denominado WT1190F, não representa qualquer perigo para a Terra.

 

“O objeto é bastante pequeno, tem apenas alguns metros de diâmetro e uma parte significativa dele, senão todo, deve reduzir-se a cinzas na atmosfera”, declarou a Agência Espacial Europeia. “Seja o que for que restar, deve cair no oceano, a 100 quilómetros da costa do Sri Lanka. A sua massa não é suficiente para causar qualquer ameaça à área. Mas o espetáculo que vai criar será fantástico, pois, durante alguns segundos, o objeto vai tornar-se brilhante”.

A comunidade científica já expressou interesse especial em observar a colisão do objeto com a Terra, uma vez que pode ajudar a perceber mais sobre a composição da atmosfera. A ESA vai, inclusive, recrutar uma equipa para seguir o pedaço de lixo espacial, até este se dividir quando estiver cercado pelo ambiente terrestre.

 

“Isto é como uma experiência controlada. Geralmente não conseguimos prever quando asteroides ou meteoritos vão colidir com a Terra, por isso não podemos planear observações destes eventos”, disse o astrónomo Nick Moskovitz. “Esta observação vai permitir-nos perceber melhor como funciona a atmosfera terrestre processa o material à medida que este o atravessa”.

De acordo com o Mashable, as observações podem também ajudar os cientistas a estar melhor preparados para um eventual impacto de um asteroide, no futuro.

WT1190F é um pedaço de lixo espacial que, provavelmente, foi formado a partir de uma construção humana. Este é apenas um dos milhões de detritos perdidos no espaço e que representam uma ameaça para os satélites que orbitam em torno do nosso planeta.