Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) descobriram um conjunto de moléculas que, associadas à Levadopa, um medicamento já existente,  podem ajudar a retardar a progressão do Parkinson, uma doença degenerativa e lentamente progressiva do sistema nervoso central, caraterizada pelo tremor do corpo quando os músculos estão em repouso.

O projeto, desenvolvido pelo grupo de Bioquímica Computacional da FCUP, tem como objetivo criar medicamentos que potenciem o efeito do fármaco Levadopa, impedindo que este seja degradado pelo organismo antes de chegar ao cérebro, que é o seu alvo. Desta forma, será possível retardar a progressão da doença, segundo indicou à Lusa, o investigador Pedro Fernandes.

Para descobrir estas moléculas, a equipa - que na última década se tem dedicado à descoberta de novos fármacos para doenças específicas - recorreu ao uso de supercomputadores, que vasculham bases de dados com milhões de substâncias, num período de seis meses, com um custo "muito mais baixo" do que se a tarefa fosse efetuada num laboratório tradicional.

Moléculas que ajudam a Levadopa

Segundo Pedro Fernandes, a maioria dos fármacos são pequenas moléculas, ingeridas oralmente num comprimido. O seu efeito é provocado ao ligarem-se a outras moléculas existentes no organismo, designadas "recetores", as quais originam doenças quando estão desregulados.

No grupo dos recetores, continuou, encontram-se as enzimas, que são responsáveis por acelerar as reações químicas no organismo.

No caso da doença de Parkinson, a equipa descobriu as moléculas que podem inibir uma enzima, a qual acelera a degradação do fármaco Levadopa.

Uma vez descobertas, explicou o investigador, as moléculas foram compradas e estão atualmente a ser testadas em laboratório, numa colaboração com a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, para confirmar se as previsões computacionais encontraram realmente a "molécula mágica".

Novo medicamento

Pedro Fernandes adiantou que, caso se verifique que as moléculas detetadas são mesmo as "perfeitas" para ajudar no tratamento do Parkinson, estas podem ser a base para o desenvolvido de um medicamento.

No entanto, esse é um "caminho longo", sendo necessário realizar testes em células animais e humanas, antes de o medicamento ser aprovado para comercialização.

O grupo de Bioquímica Computacional da FCUP tem-se dedicado igualmente à descoberta de fármacos para a diabetes, a SIDA, o excesso de colesterol, o cancro e a hipertensão.

Os projetos desenvolvidos pelo grupo, iniciados em 2008, são financiados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e pelo Programa Operacional Regional do Norte (Norte 2020).