Uma equipa de investigadores da Universidade de Barcelona descobriu, no rio Ebro, um dos maiores da Espanha e Península Ibérica, uma espécie da lentilha-d`água, pequena planta aquática utilizada em estações de tratamento, eventualmente extinta há 80 anos.

A pequena planta flutuante, cujo nome científico é Spirodela polyrrhiza, foi encontrada no rio Ebro, que se localiza entre Amposta e Tortosa, na província espanhola de Tarragona, comunidade autónoma da Catalunha, e Vallvidrera, um bairro periférico de Barcelona.

As últimas referências conhecidas na Catalunha foram feitas há mais de 80 anos em Roussillon, embora haja também uma espécie correspondente do século XIX em algumas áreas de Empurias, na Catalunha.

Núria Bonada, que integra a equipa da Universidade de Barcelona, disse à revista Flora Montibérica que, normalmente, «a planta é encontrada em zonas húmidas e margens de grandes rios, compartilhando o habitat com outras espécies de lentilha ou macrófitas».

Volvidas oito décadas «esta espécie não foi encontrada em seu habitat original nem havia sido identificada em estudos anteriores feitos no rio Ebro, pelo que assumimos que já era uma espécie rara e restringida a um habitat muito concreto», observou o ecologista.

A lentilha-d¿água, que nos EUA, China, Índia e Austrália é utilizada em estações de tratamento, tem menos de dois centímetros e é descrita como a menor do mundo entre as angiospermas (plantas com flores).

«A falta de potencial habitat e possíveis mudanças no regime hidrológico dos rios poderia explicar que eu tinha uma pequena distribuição que teria levado a uma suposta extinção», defendeu o pesquisador.

Segundo a equipa de investigadores da Universidade de Barcelona, citada pela revista Flora Montibérica, as espécies Spirodela polyrrhiza, que pertencem à família de lentilha d`água têm um corpo com pequenas dimensões, reduzido a um disco flutuante pendurado a várias raízes, caule ou folhas.

Com um diâmetro de cerca de 10 milímetros, a espécie é considerada um gigante no grupo de lentilha de água, se comparado, por exemplo, com as espécies Wolffia arrhiza, que não medem mais do que 1,5 mm de diâmetro.

A planta também está localizada na bacia do Atlântico, mas nunca tinha encontrado na bacia do Ebro ou perto Barcelona.