Astrónomos afirmam que descobriram o primeiro planeta fora do Sistema Solar com um tamanho comparável ao da Terra e no qual a água poderá existir em estado líquido, revela a revista Science.

«É o primeiro exoplaneta [planeta fora do Sistema Solar] do tamanho da Terra, encontrado na zona habitável de uma outra estrela», afiançou Elisa Quintana, uma astrónoma do Instituto de Pesquisa de Inteligência Extraterrestre, da agência espacial norte-americana NASA, que participou na equipa internacional que conduziu a investigação.

O planeta, batizado Kepler-186f, orbita a estrela anã Kepler-186, «mais pequena e menos quente do que o Sol», e situa-se na «zona temperada, onde a água pode ser líquida», sustentou a astrónoma.

Esta zona é considerada habitável, uma vez que, segundo os cientistas, a vida tal como a conhecemos, que depende da presença de água, tem mais probabilidade de se desenvolver ali.

O Kepler-186f encontra-se num sistema estelar situado a 490 anos-luz do Sol, com cinco planetas do tamanho próximo da Terra. Contudo, só o Kepler-186f está na «zona habitável», os outros estão muito perto da estrela.

Entre os cerca de 1.700 exoplanetas já detetados, desde há 20 anos, duas dezenas estão em redor da sua estrela na «zona habitável». Todavia, muitos destes planetas são maiores do que a Terra, o que torna difícil verificar se são gasosos ou rochosos.

Localizado na constelação do Cisne, o Kepler-186f está na categoria de planetas rochosos como a Terra, Marte ou Vénus.

Em fevereiro, a NASA anunciou que o telescópio Kepler tinha detetado 715 novos exoplanetas, quatro deles potencialmente habitáveis, mas 2,5 vezes o tamanho da Terra.

A maioria destes novos planetas extrassolares foi identificada nos últimos cinco anos. O engenho avariou-se em meados de 2013.

O Kepler foi lançado em 2009 para detetar mais de 150 mil estrelas semelhantes ao Sol, localizadas nas constelações do Cisne e da Lira, e encontrar planetas-irmãos da Terra.