Um grupo de astrónomos detetou um pequeno planeta, duas vezes mais distante do que Plutão, a 12 mil milhões de quilómetros (ou 83 unidades astronómicas) do Sol, sendo uma unidade astronómica a distância média entre Sol e Terra.

Como os cientistas relatam esta quarta-feira na edição online da revista Nature, o novo objeto é o primeiro alguma vez encontrado cuja órbita se assemelha à de Sedna, um objeto distante que nunca se aproxima do caminho de Neptuno.

Tanto Sedna como o novo planeta, designado como 2012 VP113, diferem, assim, de Plutão e de outros membros da Cintura de Edgeworth-Kuiper, que se situam logo a seguir à órbita de Neptuno.

O objeto desloca-se entre as 80 e as 452 unidades astronómicas (UA) do Sol, nunca se aproximando de Neptuno (30 UA) ou de Plutão (39,5 UA).

O novo planeta tem cerca de 450 quilómetros, apenas um quinto do diâmetro de Plutão.

Se Plutão fosse do tamanho de uma bola de basquetebol, Sedna seria uma bola de softball e o novo planeta apenas uma bola de golfe.

Enquanto Plutão dá a volta ao Sol de 248 em 248 anos, o novo planeta precisa de 4340 anos e Sedna de 12.600 anos para fazer o mesmo.

Sedna e o seu pequeno companheiro pertencem provavelmente à parte interna da nuvem Oort, o reservatório glacial dos cometas de longo prazo que nos deslumbram quando se deslocam em direção ao Sol, e sugerem que há ainda muitos outros objetos longínquos à espera de serem descobertos.