A Comissão Europeia apresentou esta terça-feira a nova classificação internacional das universidades U-Multirank, que abrange mais de 850 instituições de ensino superior de 70 países e no qual a UE investiu mais de dois milhões de euros.

A nova classificação avalia as universidades em cinco domínios: reputação em matéria de investigação, qualidade do ensino e da aprendizagem, orientação internacional, êxito na transferência de conhecimento (por exemplo, parcerias com o setor empresarial e as novas empresas) e contribuição para o crescimento a nível regional.

O ranking multidimensional tem ainda em consideração as avaliações de 60 mil estudantes das universidades participantes.

Cada utilizador do U-Multirank pode construir a sua comparação individual, com base nas suas necessidades específicas, e obter informações sobre as universidades ou mesmo disciplinas específicas que mais lhe interessam, escolhendo critérios de acordo com as suas preferências.

Este ano, as universidades foram ainda classificadas em quatro áreas académicas: gestão de empresas, engenharia mecânica, engenharia eletrotécnica e física.

Em 2015, as áreas escolhidas são psicologia, informática e medicina, sendo as instituições classificadas em grupos que vão do A (muito bom) ao E (fraco), de acordo com 30 indicadores usados.

Este ano, os resultados mostram que mais de 95% obtiveram um A pelo menos num dos indicadores, mas só 12% têm mais de 10 notas máximas.

Das mais de 850 universidades avaliadas, a maioria (62%) são europeias, seguindo-se as norte-americanas (17%), asiáticas (14%) e da Oceânia, América Latina e África (7%).

A classificação é feita por um consórcio independente, liderado pelo Centre for Higher Education (CHE), na Alemanha, e pelo Center for Higher Education Policy Studies (CHEPS), na Holanda.

Em 2015, os avaliadores esperam ultrapassar as 1.000 instituições de ensino superior, como explica a Lusa.