Injetar um determinado gene no músculo cardíaco de porcos com problemas de coração permite a este órgão vital bater mais forte, anunciaram investigadores americanos, que esperam poder aplicar esta descoberta em humanos.

Se for demonstrado que o gene é eficaz em humanos e que não tem efeitos secundários, os cientistas esperam que possa um dia possa vir a substituir os pacemakers.

«Este avanço significa uma nova era para a terapia génica, em que os genes já não serão usados para corrigir uma deficiência, mas para operar uma mutação numa célula, a fim de curar uma doença», declarou Eduardo Marban, diretor do Instituto Cardíaco Cedars-Sinai e principal autor do estudo.

É a primeira vez que uma célula cardíaca foi pré-programada num organismo animal para tratar uma doença, afirmou Marban.

A terapia génica tem sido encarada como um domínio prometedor, mas perigoso, sobretudo depois dos primeiros testes conduzidos em humanos, nos anos 90, muitos dos quais mortais.

Segundo o investigador, o recurso a um vírus modificado como vetor do gene deverá reduzir os riscos habitualmente associados à terapia génica, como uma reacção imunitária letal ou a formação de um tumor, mas reconheceu que são necessárias mais pesquisas.