Edward Snowden foi o convidado surpresa da conferência TED (Tecnologia, Entretenimento e Design) em Vancouver, Canadá, esta terça-feira, tendo aparecido em palco através de videoconferência.



A partir de um local não revelado na Rússia, o ex-consultor da NSA (Agência de Segurança Nacional norte-americana) que já revelou milhares de documentos sobre espionagem prometeu novidades para breve. «Parte das revelações mais importantes ainda está para vir», afirmou, citado pela BBC.

Snowden acusou a NSA de atividades ilegais ao «violar as suas próprias regras milhares de vezes». «As pessoas deviam poder pegar no telefone, enviar uma SMS ou comprar um livro online sem se questionarem como vão reagir as agências de inteligência», defendeu.

O líder do projeto TED, Chris Anderson, referiu que a NSA foi convidada para a conferência, mas alegou «razões logísticas» para a sua ausência.

O público foi convidado a votar se considerava as ações de Edward Snowden heróicas ou imprudentes. A grande maioria escolheu a primeira.

«Não é nenhum segredo que há governos que me querem ver morto. Mas eu vou dormir a pensar no que posso fazer pelos americanos. Não quero prejudicar o meu governo, mas não podem ignorar o processo», disse.

O antigo analista da NSA apelou às empresas tecnológicas para protegerem os seus utilizadores através da criptografia de todas as páginas internet.

«A maior coisa que as companhias de internet podem fazer para proteger os seus utilizadores é encriptar todas as páginas», explicou.

Ao lado de Snowden em palco esteve o criador da World Wide Web, Tim Berners-Lee, que o chamou de «herói» e lhe deu um «high five» virtual.

Snowden apoiou então o plano de Tim para uma Carta Magna da Internet, que consagraria a liberdade online como um direito.