Investigadores demonstraram o papel do cérebro na obesidade, ao verificarem em ratos que as mutações num gene do hipotálamo, o IRX3, podem originar animais 30 por cento mais magros e resistentes a dietas ricas em gorduras.

As conclusões do estudo são publicadas na quinta-feira, na revista Nature.

Até agora, sabia-se que as mutações com maior grau de associação com a obesidade residiam no gene FTO. Contudo, investigadores em Espanha, nos Estados Unidos e no Canadá descobriram que tais mutações afetam elementos reguladores, que, apesar de estarem localizados no gene FTO, controlam o gene IRX3.

Marcelo Nóbrega, geneticista brasileiro da Universidade de Chicago que coordenou o estudo, sustenta que, numa experiência com ratinhos, os roedores com mutações no IRX3 revelaram-se 30 por cento mais magros - devido à perda de tecido adiposo branco, ao aumento de tecido adiposo castanho e à atividade metabólica - e mais resistentes às dietas ricas em gorduras.

Tal aconteceu, não obstante os ratinhos terem comido e exercitado o mesmo que os roedores com o gene «intacto».

«Os nossos dados sugerem, fortemente, que IRX3 controla a massa de gordura», ao regular o metabolismo, assinalou o geneticista, citado pela agência AFP.

As mutações causam uma produção excessiva da proteína com o mesmo nome no cérebro, afetando possivelmente, segundo os cientistas, o hipotálamo, onde são regulados o apetite e o metabolismo.

A próxima meta da equipa de investigadores será identificar quais as funções das células que foram alteradas pelo IRX3, e de que forma, para que possam ser desenvolvidos medicamentos que bloqueiem os efeitos causadores da obesidade.