A Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) e a homóloga britânica (GCHQ) terão utilizado, desde 2007, aplicações como o jogo Angry Birds para retirar informações pessoais de telemóveis inteligentes. A aplicação Google Maps é outro dos alvos.

A notícia foi divulgada pelo jornal norte-americano «New York Times» e pelo site «ProPublica», que tiveram acesso a documentos que foram divulgados pelo antigo agente norte-americano Edward Snowden, que se encontra atualmente na Rússia.

As ferramentas de espionagem permitiam aceder a informações como o modelo do telemóvel, a idade do proprietário, o género, a orientação sexual, a localização dos utilizadores ou registos telefónicos.

De acordo com os relatórios agora tornados públicos, o sistema desenvolvido pela NSA e pela GCHQ, que permite retirar dados através de aplicações que sejam descarregadas para smartphones, possibilita até saber qual o alinhamento político dos utilizadores que estejam a ser vigiados.

A edição online do jornal britânico «The Guardian» refere ainda que só a NSA terá gasto à volta de mil milhões de dólares (cerca de 731 milhões de euros) nos esforços em recolher dados de telemóveis.