Um clima mais quente leva ao aumento da violência, indica um estudo norte-americano publicado na quinta-feira na revista «Science», que permite antever consequências desastrosas caso persista o aquecimento global da Terra.

Realizado por cientistas das Universidades de Berkeley (Califórnia) e de Princeton (Nova Jérsia), o estudo estabelece uma ligação entre temperaturas mais elevadas e um aumento da violência, com base em mais de meia centena de investigações sobre a mesma questão em disciplinas como a arqueologia, a climatologia, a ciência política ou a economia.

Uma delas assinala que os crimes, como agressões, homicídios, violações, violência doméstica, são mais frequentes quando a temperatura é mais elevada.

Outra análise, por exemplo, mostra que durante os períodos mais quentes e secos da oscilação sul do El Niño «duplica a probabilidade de qualquer país nos trópicos começar uma nova guerra civil».

«As provas indicam que os seres humanos mostram pouca capacidade para lidar com a exposição a temperaturas mais quentes», refere Marshall Burke, co-autor do estudo, num comunicado citado na agência France Presse.

Os investigadores consideram que o calor também pode ter efeitos psicológicos que conduzam a reações violentas, afirmando que a explicação para o fenómeno não é óbvia e que existem várias teorias.

«Pensamos que os efeitos (que identificaram) são importantes o suficiente para os levarmos a sério e nos questionarmos sobre se o que fazemos ou não hoje pode ter influência amanhã no grau de violência do mundo dos nossos filhos», disse o principal autor do estudo, Solomon Hsiang, admitindo que prever o futuro é sempre difícil, como relata a Lusa.