Um manuscrito português datado do século XVI e com o desenho do que aparenta ser um canguru pode mudar a história australiana, de acordo com alguns investigadores. Isto porque a descoberta deste livro com 400 anos sugere que os exploradores lusos possam ter chegado ao país ainda antes do navegador holandês Willem Janszoon, que liderou o primeiro desembarque europeu registado no continente australiano, em 1606.

Além do desenho do animal numa das letras, o manuscrito, que terá sido feito entre 1580 e 1620, tem ilustrações de dois homens seminus com coroas de folhas, que os investigadores acreditam corresponder a aborígenes australianos, segundo o «The Telegraph».

O livro de bolso foi adquirido pela galeria Les Enluminures de Nova Iorque a um negociante de livros antigos em Portugal por 11 mil euros.

Ao australiano «The Age», Laura Light, investigadora da galeria nova-iorquina, disse acreditar que o manuscrito sugere que o seu autor ou esteve na Austrália ou então que os relatos e desenhos de exploradores do novo mundo já estavam disponíveis em Portugal. Mas outros especialistas, como Martin Woods, da Biblioteca Nacional da Austrália, argumentam que pode apenas tratar-se de qualquer outro animal do sudoeste asiático.