Os antioxidantes, usados em grande popularidade nas últimas décadas, aceleram a progressão do cancro de pulmão nos ratos e não trazem benefícios seguros para os seres humanos sãos, segundo um artigo publicado esta quinta-feira na revista Science Translational Medicine.

«Os antioxidantes usam-se amplamente para proteger as células dos danos induzidos por espécies reativas do oxigénio», explica a equipa de investigadores, liderada por Volkan Sayin, da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

«O conceito de que os antioxidantes podem ajudar a combater o cancro está muito arreigado na população mundial, promovido pela indústria dos suplementos alimentares e sustentado por alguns estudos científicos», lê-se no artigo citado pela agência noticiosa Efe.

Todavia as provas clínicas «deram resultados incoerentes», acrescenta.

Os compostos químicos conhecidos como antioxidantes atrasam certos tipos de danos celulares impedindo a acumulação de moléculas da espécie reativa de oxigénio (ERO) que pode causar danos às células.

Entre estes antioxidantes estão a vitamina A, que pode obter-se nas cenouras, abóbora, bróculos, batata-doce, tomate, couve, melão, pêssegos e outros, e a vitamina C, presente nas laranjas, limas, limões, pimentos vermelhos, vegetais de folhas verdes, morangos e framboesas.

A vitamina E, por seu lado, está presente nos frutos secos e sementes, grãos integrais, azeite, óleo de fígado, assim como outro antioxidante, o selénio, pode ser obtido a partir de peixe e do marisco, carne vermelha, ovos, frango e alho.

O estudo sueco indica que os antioxidantes aceleram a progressão do cancro de pulmão nos ratos de laboratório e em linhas de células humanas.

As conclusões do estudo, segundo a Efe, indicam que as pessoas que têm pequenos tumores no pulmão não diagnosticados - o que é possível em qualquer pessoa, especialmente nos fumadores - deveriam evitar os suplementos antioxidantes.