O regresso à terra está a ser feito com gente mais jovem, mas também com novas ferramentas. Uma delas, pensada e desenvolvida por empreendedores portugueses, pretende dar aos novos agricultores um meio mais eficaz para gerir a sua atividade.

Chama-se Agroop e é uma plataforma tecnológica que vai ligar os produtores às suas associações, permitindo-lhes comunicar dados em tempo real, solicitar assistência remota, receber alertas climatéricos e de sanidade, quantificar os seus custos e até gerir recursos humanos.

Bruno Fonseca, licenciado em design gráfico, é um dos três promotores da Agroop, que está a ser desenvolvida na Incubadora Tagus Park e que conta com mais três elementos na equipa: um parceiro tecnológico e dois consultores agrónomos.

A ideia surgiu quando Bruno Fonseca, que tinha acabado de desenvolver um projeto para um agricultor em Castelo Branco, se apercebeu de que não existia «nenhuma plataforma intuitiva e em português» que ajudasse a gerir recursos e processos agrícolas.

«Achámos que podíamos complementar essa lacuna e desenvolver uma aplicação mais user friendly que permitisse uma comunicação eficiente entre os diversos agentes da cadeia produtiva», contou o empreendedor à Lusa.

A aplicação permite aos agricultores fazer os registos do caderno de campo digitalmente e elaborar uma estruturação de custos e receitas mais eficaz, explica Bruno Fonseca.

A aplicação traz também vantagens às organizações de produtores que «podem ter acesso em tempo real aos dados gerados pelos agricultores, o que lhes permitirá minimizar os custos, evitando a deslocação dos técnicos ao terreno», acrescenta.

Bruno Fonseca exemplificou o funcionamento do sistema num protótipo desenhado para o tablet.

«Imagine-se que o agricultor vê um fungo numa planta e não sabe o que é. Pode tirar uma fotografia e mandar para o técnico da associação que poderá aconselhá-lo nos procedimentos mais corretos para combater aquele fungo», explica o jovem promotor.

João Preto, um dos consultores agrónomos que está a dar apoio ao projeto, destaca que esta ferramenta será igualmente importante para melhorar a qualidade, permitindo monitorizar com facilidade a rastreabilidade do produto.

E não tem dúvidas quanto à recetividade do mercado: «Há cada vez mais jovens agricultores, há cada vez mais pessoas com outras formações que estão, pelos tempos que correm, a desenvolver atividades mais ligadas à terra. Estas pessoas são mais abertas ao uso de tecnologia e aperceberam-se de que o universo agrícola está cada vez mais global e competitivo, daí a necessidade de uma ferramenta que vai aumentar a sua eficiência e a sua rapidez de comunicação com os players do mercado».

No futuro, o objetivo é desenvolver esta multiplataforma agrícola. Além da aplicação de gestão de processos e recursos agrícolas, Bruno Fonseca quer desenvolver uma rede social e pedagógica que ajude a esclarecer duvidas e, posteriormente, evoluir para um mercado online onde se possam comprar e vender produtos, dirigido a compradores de pequenas, médias e grandes superfícies comerciais que teriam assim acesso a uma vasta gama de produtos e fornecedores».

O projeto é apoiado pelo Passaporte ao Empreendedorismo e arrancou há sete meses. Os próximos cinco meses, ainda no âmbito deste apoio que se traduz numa bolsa mensal de cerca de 700 euros para cada promotor, servirão para desenvolver a ideia e elaborar o plano de negócios.