Um tribunal de San Diego, Califórnia, Estados Unidos, absolveu quinta-feira Cecilia Abadie, a primeira pessoa multada por conduzir com os «Google Glass» postos.

Cecilia Abadie foi declarada inocente porque levava os óculos postos embora não ativados e também não ficou provado que conduzia a uma velocidade superior ao permitido, como tinha sido acusada.

Os óculos da Google, considerados «inteligentes», são ativados através da voz e permitem tirar fotografias, gravar vídeos, consultar o correio eletrónico ou navegar na Internet.

No entanto, as autoridades da Califórnia recordaram na sua argumentação que o código de estrada do estado proíbe a condução se um ecrã de vídeo de qualquer tipo está ao alcance da visão do condutor.

O advogado de Cecilia Abadie defendeu, contudo, «não ser ilegal conduzir com os óculos da Google postos» e recordou que o aparelho do gigante tecnológico já existia quando foi reformulado o código de estrada da Califórnia.

O caso está a ser alvo de atenção em todo o país e suscitou um debate se a utilização dos óculos que possuem um ecrã do lado direito podem distrair o condutor e, por isso, ser considerados perigosos ao volante.

Abadie é uma das mais de 10.000 pessoas nos Estados Unidos que a Google escolheu para testar os seus óculos, que possuem um preço de 1.500 dólares e estarão à venda ainda este ano, embora sem data ainda concreta de lançamento público.