“Se tudo ocorrer da maneira que estamos a pensar, ficamos um passo mais perto da vacina”





“Não sabemos induzir respostas imunitárias celulares ou por anticorpos específicos que sejam suficientemente protetoras do homem”, afirmou.


“Penso que estamos no caminho correto para uma solução, porque a pandemia não se controla com antirretrovirais”, referiu José Marcelino.






“Quem está no meio sabe, continuam a existir novas infeções, a Sida continua a matar, não mata é tão cedo”. A especialista considera também que uma vacina, no conceito que se tem de vacina, não está para breve, admitindo mais rapidez numa cura, ainda que essa rapidez não deva ser a menos de dez anos.