O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) recebeu dois milhões de euros de transferências de empresas para investigação, em 2013, e poupou um milhão de euros em medicamentos inovadores usados em ensaios clínicos.

Em declarações à agência Lusa, a propósito do Dia Internacional do Ensaio Clínico, que é hoje celebrado, o presidente do conselho de administração do CHUC, José Martins Nunes, disse que a instituição participa atualmente em 110 ensaios clínicos, nos quais estão envolvidos 650 doentes de diferentes áreas.

Apesar de as contas de 2013 «não estarem ainda encerradas», neste capítulo, o Centro Hospitalar e Universitário, que reúne vários hospitais públicos de Coimbra, arrecadou «cerca de dois milhões de euros em transferências diretas», no âmbito dos ensaios clínicos em curso, que permitiram ainda «poupar um milhão de euros em medicamentos inovadores», adiantou.

Salientando que a investigação «tem um significado estratégico» para o CHUC, José Martins Nunes lembrou que as outras vocações da instituição são o ensino e o trabalho assistencial, as quais, na sua opinião, também beneficiam com os contratos para realização de ensaios clínicos.

No início de abril, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, inaugurou, em Coimbra, o primeiro Centro Nacional de Ensaios Clínicos do Serviço Nacional de Saúde, uma aposta do CHUC para fazer testes maioritariamente em pessoas saudáveis.

Com a entrada em funcionamento deste equipamento, o hospital confirmou «uma atenção muito especial que, desde há um ano, tem dado a este tipo de investigação», afirmou José Martins Nunes, prevendo que as receitas provenientes dos ensaios registem, no final de 2014, um «aumento significativo».

O novo centro, no antigo Hospital dos Covões, efetua ensaios de «fase I», que visam, sobretudo, o estudo da segurança de medicamentos, tecnologias e equipamentos de saúde, tendo tradicionalmente como população alvo voluntários saudáveis.

«Já temos, neste centro, dois pedidos de submissão para autorização de ensaios de medicamentos», cujos estudos deverão começar «dentro de dois meses», revelou hoje o presidente do CHUC.

Como objetivo para este ano, foi estabelecido que o Centro Nacional de Ensaios Clínicos deveria encetar «sete a oito ensaios clínicos», segundo José Martins Nunes.

Após serem dirigidos ao CHUC, os pedidos carecem do aval do Infarmed -Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde e da Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC).

Entre medicamentos, equipamentos, tecnologias, dispositivos e procedimentos inovadores diversos, o Centro de Ensaios Clínicos pode acolher ensaios clínicos solicitados tanto por investigadores como por empresas.

«Estamos a trabalhar na conquista destes mercados», referiu José Martins Nunes, frisando que «o reforço da investigação e dos ensaios clínicos» traduz «uma proposta de liderança» da instituição.

A nível internacional, ainda antes da inauguração do centro para ensaios de «fase I», no dia 04 de abril, o CHUC «já liderava o desenvolvimento de alguns medicamentos», designadamente na área da cardiologia, neste caso envolvendo pessoas doentes, sublinhou.