O jovem investigador português Rui Miguel Dos Santos Benedito e o espanhol Alberto Enciso Carrasco foram galardoados com os Fundação Príncipe de Girona de Investigação Cientifica 2014, que serão entregues nesta cidade espanhola em junho próximo.

Segundo a ata do júri, citada pela Lusa, o investigador português foi reconhecido pela sua «excelente investigação no campo da biologia vascular, tão relevante em diversos campos da saúde como são o cancro e as doenças cardiovasculares», e ainda pela sua «capacidade de liderança».

Licenciado em microbiologia e genética pela Universidade de Lisboa e doutor em biomédica molecular na mesma universidade, Benedito realizou investigações no London Research Institute do Reino Unido e no Max-Planck Institute for Molecular Biomedicine, na Alemanha.

Atualmente é professor assistente e investigador no Centro Nacional de Investigações Cardiovasculares (CNIC) tendo o seu trabalho sido já reconhecido com vários prémios internacionais incluindo o Werner Risau Prize e o Peter Hans Hofschneider Prize.

Os prémios, que serão entregues pelos Príncipes das Astúrias em junho, pretendem reconhecer jovens com experiências ou projetos científicos, incluindo no ramo das ciêncisas humanas e sociais, «que oferecem um potencial elevado de desenvolvimento futuro».

O júri foi formado pelos membros do Conselho Assessor da «Fundação María Blasco Marhuenda» Jorge Wagensberg e Emilio Lamo de Espinosa, por Francisco Sánchez, diretor do Instituto Astrofísico das Canárias e Guadalupe Sabio, vencedora do galardão em 2012.

Alberto Enciso Carrasco, o outro galardoado, foi reconhecido pelas suas investigações no desenvolvimento de novas técnicas para a análise de equações diferenciais de uso em física e de aplicação direta em múltiplos campos da ciência e da tecnologia.

Os Prémios Fundação Príncipe de Girona constam de quatro galardões individuais destinados a jovens entre os 16 e 35 anos, nas áreas de Artes e Letras, Social, Investigação Científica e Empresa e um outro atribuído a uma entidade que se destaque no trabalho em prol da juventude.

Nesta quinta edição do certame apresentaram-se um total de 180 candidaturas das quais 47 na categoria de investigação cientificada.

Este foi o quarto galardão dado a conhecer este ano, depois dos prémios de Artes e Letras, para o artista plástico asturiano Hugo Fontela, de Entidade, para a empresa Valnalón, e do Prémio Empresa, obtido por Ignasi Belda.