Um chefe da polícia local do Estado de Illinois anunciou quinta-feira ter avançado com uma queixa contra o site de pequenos anúncios Craigslist, que considera ser «a maior fonte de prostituição» dos Estados Unidos.

Numa conferência de imprensa em Chicago, Thomas Dart, chefe da polícia do Condado de Cook, declarou que «as crianças desaparecidas ou que fugiram de casa, as mulheres vítimas de abusos sexuais ou as oriundas do estrangeiro em redes de tráfico são forçadas a ter relações sexuais com desconhecidos devido ao proxenetismo existente na Craigslist».

Numa queixa apresentada a um juiz federal, Thomas Dart pede à justiça que proíba os anúncios a «serviços eróticos» existentes naquele sítio.

«Uma utilização da Craigslist que possa facilitar actividades criminosas é inaceitável e prosseguiremos os nossos esforços para a impedir», declarou Susan MacTavish, porta-voz da Craigslist, à Agência France Presse, acrescentando que o tipo de anúncios em causa são «raros» naquele espaço digital.

A queixa de Thomas Dart tem lugar quatro meses após um processo similar na sequência do qual a Craigslist se comprometeu a instaurar novas regras para combater os anúncios de prostituição.