A utilização da internet em idades muito precoces aumenta o risco de dependência desta rede em idade adulta, assim como o seu “uso desregulado e excessivo”.

O estudo sobre a adição à internet, que decorreu entre dezembro de 2014 e fevereiro de 2015, envolveu 1.105 internautas, com idades entre os 16 e os 75 anos, de vários países, incluindo Portugal, que representou um terço da amostra, disse à agência Lusa o investigador português Halley Pontes, da Nothingham Trent University, no Reino Unido.

A partir do uso de “uma metodologia estatística robusta e sofisticada”, os investigadores verificaram que uma grande parte da adição à internet pode ser explicada pelas variáveis “idade”, “idade de iniciação ao uso da Internet” e “tempo despendido online semanalmente por lazer”.

Concluímos que, de um modo geral, a adição à internet está muito desenvolvida pelo fator da idade e iniciação ao uso da internet”, disse Halley Pontes, que participa na quinta-feira, em Lisboa, no VII Congresso Internacional de Psicologia da Criança e Adolescente, promovido pelo Instituto de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade Lusíada de Lisboa.

Segundo o investigador, as crianças que utilizam a internet antes dos cinco, seis anos “estão potencialmente em maior risco para desenvolvimento da adição à internet”.

Estes resultados revelam que os pais têm que ter alguma preocupação sobre o modo como deixam os filhos utilizarem essa ferramenta, que inclui os videojogos, porque de facto há aqui uma associação clara entre idades precoces, utilização dessas ferramentas e problemas futuros”, sublinhou.

Nesse sentido, os pais devem exercer esse controlo e ajudar os filhos a autorregularem o uso dessas ferramentas, defendeu Halley Pontes, sublinhando que, em Portugal, o acesso à internet é muito frequente em idades mais novas.

Os pais ou os guardiões legais deverão ter em conta a idade com a qual permitem que os seus filhos acedam à internet”, sendo que, quanto mais precoce for permitido esse acesso, “maior a tendência para o desenvolvimento subsequente em idade adulta da adição à Internet”

O estudo adverte que a dependência à internet “gera variados prejuízos psicológicos e sociais aos sujeitos”, incluindo disfunções comportamentais, tal como suportam a maioria dos estudos recentes.

Também “o uso desregulado e excessivo” desta tecnologia é um fator de risco importante para o desenvolvimento da dependência à internet, especialmente nos casos em que “os internautas apresentam um uso disfuncional, persuasivo e descontextualizado da internet”.

Esse comportamento pode explicar-se como “navegar apenas por navegar sem haver uma necessidade académica ou profissional inerente ao uso”.

O estudo aponta como exemplos deste tipo de utilização “o uso constante e excessivo” das redes sociais online, como o Facebook e o Twitter, serviços de mensagens instantâneas, ‘streaming’ de conteúdos online, etc.

Sobre as taxas de prevalência das adições tecnológicas em Portugal, Halley Pontes disse que não são muito elevadas, rondando os 1,2% e os 5%, dependendo do tipo de amostra e do método de recolha de dados utilizados, indo ao encontro dos resultados reportados em estudos internacionais.