Uma jovem de 22 anos, com uma doença rara, foi salva por um crânio feito numa impressora 3D. Utilizar estas impressoras para reproduzir partes do corpo não é uma novidade, mas poucas vezes foi utilizada para substituir um crânio, avança o jornal «Dutch News».

A paciente, cuja identidade foi protegida, sofria de uma doença rara que fazia os ossos do crânio ficarem mais grossos e aumentarem a pressão no cérebro. No momento em que recebeu o implante, os ossos do crânio tinham 5 cm, o triplo do valor normal.

Os médicos holandeses responsáveis pela ideia e pela cirurgia pertencem à Universidade de Utrecht. Todo o processo demorou três meses e a cirurgia demorou 23 horas. A cópia perfeita do crânio é de plástico.

Em declarações ao «Dutch News», Ben Verweij, que liderou a intervenção, explicou que «os implantes costumam ser feitos à mão, na sala de cirurgia, utilizando uma espécie de cimento. Com a impressão em 3D, podemos fazer um implante de tamanho exato. Além da vantagem estética, o funcionamento do cérebro do paciente poderá recuperar mais facilmente do que com o método antigo».

Apesar destes especialistas alegarem que este foi o primeiro caso do género, em 2013 já havia informações sobre um norte-americano a quem tinha sido substituído 75% do seu crânio, com uma cópia feita em 3D.

A operação da jovem foi gravada para a posteridade. Nos início do vídeo os médicos explicam o processo, mas na parte final há imagens da cirurgia em si. As imagens da intervenção podem impressionar os leitores mais sensíveis.