Construir um supercomputador capaz de replicar as funções do cérebro humano é o objetivo de um grupo de cientistas e investigadores que reuniram esta segunda-feira na Suíça, avançou esta terça-feira o portal Mashable.

O projeto que custará cerca de 1,6 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros) e vai envolver 135 instituições e entidades governamentais, quer criar o computador mais rápido conhecido até hoje, 1.000 vezes mais rápido que os mais potentes já disponíveis, e que opere da mesma forma que o nosso cérebro, ajudando igualmente a perceber melhor como funcionam as nossas capacidades de aprendizagem, pensamento e emoções.

A primeira fase do projeto, que durará cerca de uma década, quer inicialmente perceber como funcionam as funções do nosso cérebro, esperando poder, assim, replicar as formas como aprendemos, pensamos, vemos e ouvimos.

Atualmente os computadores mais rápidos já são capazes de velocidades de mil biliões de operações por segundo, um número que o diretor do projetor, Henry Markram, quer ultrapassar. Será uma máquina que vai necessitar de novas formas de memória e que irá forçar os cientistas a desenvolver novas formas de armazenamento, afirma a mesma fonte.

Segundo o website do projeto o objetivo é «perceber o rápido crescimento do conhecimento do cérebro humano», que pode trazer resultados que superarão a tecnologia em si, com simulações que desenhem um modelo das suas funções e possam ajudar a perceber, por exemplo, como se pode curar o cérebro.