Um grupo de piratas informáticos russos roubou mais de 1,2 mil milhões de palavras-passe a empresas, na sua maioria norte-americanas, mas não só. A informação é avançada pelo «New York Times», que cita informações recolhidas pela empresa de segurança informática Hold Security, sediada no Milwaukee, nos Estados Unidos.

Segundo o mesmo jornal, os «hackers» conseguiram os códigos de acesso de mais de 420 sites e os seus nomes de utilizadores. Dessa forma, acabaram por conseguir aceder a 500 milhões de contas de email. No final, terão recolhido mais de 4,5 milhões de dados.

O grupo de piratas, composto por diversos jovens, tem membros na Rússia, Cazaquistão e Mongólia. A Hold Security conseguiu detetá-lo após sete meses de investigação e chamou-lhe «CyberVors». A revelação foi feita durante o «Black Hat», um evento anual dedicado à cibersegurança, que se realizou em Las Vegas.

Alex Holden, um perito da Hold Security explicou ao «New York Times», que os hackers «não atacaram só grandes empresas», pequenos negócios também foram afetados e muitos dos sites afetados «continuam vulneráveis». Este será o principal motivo para que os seus nomes ainda não tenham sido revelados.

Inicialmente, os piratas atacaram outros «hackers», roubando-lhes bases de dados com palavras-passe. Com essa informação na sua posse «atacaram contas de email, de redes sociais e muitos websites» para distribuíram «spam».

Entretanto, a Hold Security garante que está a contactar as empresas «roubadas» e fez saber que está a concluir uma ferramenta que vai permitir aos utilizadores saberem se foram afetados, ou não, por este roubo.