Escavações recentes na Tanzânia desvendaram o fóssil mais antigo de uma mão humana descoberto até à data. O osso descoberto assemelha-se aos dos humanos modernos, mas os cientistas acreditam que podem pertencer a uma outra espécie, parente do homo sapiens, que seria muito mais alta do que os atuais seres-humanos.

A ossada tem mais de 1.48 milhões de anos e foi encontrada em Olduvai Gorge, na Tanzânia. Os investigadores acreditam que o achado pertence ao mindinho de um hominídeo ainda por identificar, semelhante ao homo erectus, mas que teria uma estrutura maior do que os nossos antepassados.

O osso tem cerca de 3.6 centímetros, “o mesmo tamanho equivalente ao osso da nossa mão”, afirmou Manuel Domínguez-Rodrigo, paleontólogo na Universidade de Madrid.

Segundo a NBC News, a possibilidade de o fóssil não pertencer à mão de um ser da espécie dos humanos está posta de parte, uma vez que a mão é a característica principal que diferencia os Homens dos restantes primatas.

O osso encontrado sugere ainda outras novidades: que os ossos das mãos de alguns antepassados longínquos podem ser mais semelhantes aos dos humanos modernos do que algumas linhagens mais recentes e que a criação de ferramentas pode ter começado muito antes do que se imagina.

A equipa de paleontólogos responsável pelo estudo do fóssil ainda está a tentar corroborar as teorias avançadas. Contudo, os críticos realçam que usar apenas um osso para comprovar a existência de uma nova espécie de hominídeo é, no mínimo, controverso.