Um código da aplicação WhatsApp foi quebrado por dois hackers espanhóis, especializados em cibersegurança.

Jaime Sánchez e Plabo San Emeterio conseguiram falsificar o remetente e simular que alguém tinha enviado mensagens para o telemóvel que estavam a usar.

Esta falha significa que podem ser enviadas mensagens de pessoas que nunca as escreveram.

Tal acontece porque é possível identificar o número de telefone através do qual essas mensagens são enviadas, sendo possível admiti-las em tribunal como prova de um crime. Neste caso, se o telefone recetor for pirateado vai poder receber mensagens identificadas com números de telemóvel de pessoas que nunca enviaram nada.

Esta não é a primeira vez que os dois hackers descobrem como espiar conversas, decifrar palavras-chaves ou enviar mensagens com vírus na mesma aplicação.

A empresa que há cinco meses foi comprada pelo Facebook por 14 milhões de euros tem vindo a corrigir essas mesmas falhas.

A aplicação de mensagens instantâneas para «smartphones» e «tablets» é usada por mais de 500 milhões de pessoas e regista 10 milhões de mensagens enviadas e recebidas diariamente.

Veja a explicação dos dois hackers espanhóis ao jornal El País: